top of page

O dia em que a poesia derrotou um ditador [resenha e exercícios com gabarito]

Hoje é dia de parceria aqui no blog. Para quem não sabe, somos Educadoras Parceiras da Record Educação, o departamento de educação da editora Record. Durante a parceria, todos os meses, vamos receber dois livros da editora para ler e recomendar para vocês, juntamente com algumas sugestões de trabalho e atividade. Em maio, recebemos os livros "A cor de cada um", de Carlos Drummond de Andrade (mais informações aqui) e "O dia em que a poesia derrotou um ditador", do escritor chileno Antonio Skármeta - o tema deste post. Compartilho com vocês tanto uma breve resenha do livro, quanto algumas sugestões de atividades que podem ser realizadas ao longo da leitura.

Siga nosso perfil no Instagram. Lá você encontra mais sugestões de leitura e atividades, além de lives sobre teoria e práticas pedagógicas - clique aqui.

Além das sugestões de atividades compartilhadas gratuitamente no post, também preparamos um ebook com atividades para você trabalhar/estudar esse livro nas suas aulas. O ebook contém Plano de aula completo e detalhado de 5 semanas, 15 perguntas sobre o livro com gabarito e 2 propostas de produção de texto (playlist e carta-aberta). Para adquirir o material, clique neste link.


Eu não conhecia nem o livro, nem o autor, por isso fiquei positivamente surpresa ao começar a leitura da obra, começando pela escolha do foco narrativo. O livro é narrado em dois focos narrativos diferentes: começa com um capítulo em 1ª pessoa, narrado pelo adolescente Nico; já o segundo capítulo é narrado em 3ª pessoa, com narrador onisciente, e apresenta a perspectiva de outros personagens da história, sobretudo do publicitário Adrián Bettini. Essa oscilação de foco narrativo e tipo de narrador se mantém ao longo de todo o livro.


A história se passa em 1988, no Chile, no final do governo ditatorial de Augusto Pinochet e tem a ditadura - e suas perseguições - como tema central. Nico é um adolescente que está no final do Ensino Médio, ele estuda no Instituto Nacional, colégio onde seu pai - o professor Santos - dá aula de Filosofia. É também no Instituto que o professor Santos foi preso, levado por dois militares na frente de seus mais de 30 alunos.


Adrián Bettini é pai de Patricia, namorada de Nico. Um dos publicitários mais renomados do pai, está sem trabalho, pois é perseguido pelo governo, uma vez que é um de seus opositores. Certo dia, Bettini é levado a uma reunião com o Ministro do Interior, doutor Fernández, considerado um dos homens mais duros do regime. O Ministro faz a Bettini a proposta de que ele seja o responsável pela campanha do "Sim" no Plebiscito que seria realizado em 05 de outubro, com o objetivo de ouvir a população sobre a continuação ou não do governo de Pinochet. O "Sim", óbvio, é o voto a favor do governo. Bettini recusa a proposta e, dias depois, aceita fazer a campanha pelo "Não".


A história gira em torno dessas duas questões: o desaparecimento do professor Santos e a campanha do Plebiscito. É uma obra que mistura ficção e realidade: o plebiscito realmente aconteceu, a campanha do "Não" realmente foi um sucesso (e muito inovadora!) e venceu a votação. No entanto, os detalhes do enredo são ficcionais.


Gostei muito do livro, principalmente por abordar uma temática historicamente relevante sob a perspectiva de um adolescente - o que pode gerar maior interesse dos alunos por causa da identificação com esse personagem Nico. Além disso, a escrita de Skármeta é muito gostosa, é um livro inteligente, com boas tiradas e muita ironia, aquele tipo de escrita que flui muito e te prende do começo ao fim. Além disso, a leitura desse livro permite que a gente conheça melhor a história de outro país da América Latina. Por todos esses motivos, acho uma obra excelente para ser lida e estudada em sala de aula.


No entanto, faço uma ressalva importante: bem no final do livro, Nico e Patricia decidem ter sua primeira vez juntos e há um relato desse momento - veja trechos do livro no final deste post. Como pode ver, a narrativa não é pornográfica, mas por tratar de maneira direta do tema da sexualidade, achei prudente deixar essa observação aqui. Pelo mesmo motivo, recomendo a leitura do livro apenas no Ensino Médio.


Clicando aqui, gratuitamente, você tem acesso a perguntas/atividades prontinhas para usar na sua aula.


Já acessando este outro link, você terá acesso a um Ebook completo para trabalhar este livro em sala de aula: plano de aula (com habilidades da BNCC), 15 perguntas com gabarito e 2 propostas de produção de texto para avaliar a leitura do livro (playlist e carta-aberta) - as propostas vêm com os critérios de correção.



 

Na seção PARA LER NA ESCOLA, você vai sempre encontrar resenhas de livros literários (também conhecidos como paradidáticos) que são adequados para ler com os alunos do Ensino Fundamental 2 e Ensino Médio . Também haverá sugestões de atividades, exercícios e temas que podem ser trabalhados com os alunos durante a leitura.

 

O dia em que a poesia derrotou um ditador Antonio Skármeta Lançado em 2021, 224 p. Editora Record Em "O dia em que a poesia derrotou um ditador", acompanhamos o cotidiano de duas famílias cujas vidas estão íntima e irrevogavelmente ligadas à história do Chile e a seu despertar para a liberdade. Em uma quarta-feira de 1988, Santos, professor de filosofia de uma das escolas mais tradicionais de Santiago, é levado pela polícia durante uma de suas aulas. Prisões como aquela não são raras no Chile de então, mas para Nico, que assiste à cena junto aos outros alunos, dessa vez é diferente. Ele é filho do professor, e a partir desse momento a única coisa que pode fazer é encontrar uma forma de ter o pai de volta.

A namorada de Nico lhe dá apoio, mas a família de Patricia Bettini também sente os efeitos da ditadura instaurada em 1973. Seu pai, Adrián Bettini, outrora um bem-sucedido publicitário, agora é boicotado pelo regime e sobrevive fazendo pequenos trabalhos informais. Enquanto Nico procura notícias sobre o paradeiro do pai, temendo a todo instante receber a pior delas, Adrián assume a campanha do “Não” à reeleição de Pinochet.

Em "O dia em que a poesia derrotou um ditador", Antonio Skármeta, um dos principais autores chilenos das últimas décadas, tece, com sua prosa delicada, uma narrativa impactante sobre a relação entre pais e filhos em momentos difíceis da história e sobre como a alegria conseguiu devolver as cores a um país silenciado.

Indicado para: Ensino Médio Temas: adolescência, direitos humanos, educação, família, história da América Latina, história do Chile, política, regimes ditatoriais.


Posts Relacionados

Ver tudo

टिप्पणियां


bottom of page