top of page

A vida no céu [Plano de aula e sugestões de atividade]

Atualizado: 23 de mai. de 2023

Segundo a vídeo-aula da Editora Melhoramentos (veja no final do post), "A vida no céu", do escritor angolano José Eduardo Agualusa, é um romance distópico de ficção científica por se passar num futuro distópico, consequência de uma tragédia ambiental: por causa do aquecimento global, um dilúvio encobriu toda a terra do planeta e os humanos tiveram que viver nos céus, em balões ou dirigíveis.

Siga nosso perfil no Instagram. Lá você encontra mais sugestões de leitura e atividades, além de lives sobre teoria e práticas pedagógicas - clique aqui.

A população da Terra teve tempo para se preparar para essa mudança. Grandes cidades, como Paris, Tóquio e São Paulo, conseguiram construir grandes dirigíveis e se recriaram nos ceús. Já as cidades menores, especialmente aquelas de países africanos, transportaram-se para os céus em formas de balões, ligados uns aos outros e muito mais precários. Algumas comunidades tentaram viver em barcos, mas a água dos oceanos alcançou uma temperatura tão elevada que era impossível viver no nível do mar. O mar era um inferno.


Uma dessas cidades flutuantes é Luanda, onde Carlos, o protagonista e narrador da história, mora com os pais. No entanto, durante uma tempestade, o pai de Carlos caiu do balão e desapareceu. Depois de muito tempo procurando-o, os moradores de Luanda desistiram da busca e aceitaram que ele se foi, mas não Carlos. Ele decidiu sair em busca do pai e aí começa a aventura.


Uma das coisas legais deste livro é que o protagonista é um jovem e, depois, junta-se a ele outra adolescente, Aimée. Então é um livro em que esses personagens principais vivem aventuras ficcionais ao mesmo tempo em que passam por experiências próprias da adolescência, criando uma identificação com os leitores.


O livro também permite trabalhar com várias habilidades da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), dentre elas a habilidade abaixo, ao apresentar uma sociedade que continua desigual, na qual a eliminação das fronteiras territoriais e terrestes não foi o suficiente para trazer união e cooperação entre os povos da terra, pelo contrário, outros mecânismos de controle e perseguição de imigrantes foram criados. A escolha deste livro, escrito por um angolano, também atende a Lei 11.645/2008 que torna obrigatória a inclusão da História e da Cultura Afro-brasileira e Indígena nos currículos das escolas brasileiras.

(EF69LP44) Inferir a presença de valores sociais, culturais e humanos e de diferentes visões de mundo, em textos literários, reconhecendo nesses textos formas de estabelecer múltiplos olhares sobre as identidades, sociedades e culturas e considerando a autoria e o contexto social e histórico de sua produção.

A obra, obviamente, também permite a discussão sobre aquecimento global, suas causas e possíveis consequências caso, como no livro, nós não consigamos evitar essa tragédia.


Abaixo, compartilho com vocês o Plano de aula e as atividades, exercícios e discussões que faço durante as aulas do livro "A vida no céu".


PRIMEIRA AULA

Duração: 1 aula de 45 minutos.


1. Sempre começo com a apresentação do autor. Acho muito importante dar visibilidade aos escritores, mostrar qual é a cara por trás daquele livro. Quando possível, também mostro alguma entrevista ou vídeo do escritor(a).


2. Depois faço algumas atividades de inferências com os alunos sobre o enredo da obra e personagens:

  • Primeiro, assistimos a esse book trailer do livro. A partir dele, fazemos algumas inferências sobre a história.

  • Depois passamos para a história do dilúvio, que claramente foi inspirada na história bíblica da Arca de Noé. É importante retomar essa história para que todos alunos entendam a intertextualidade - nem todo mundo é cristão, pode ter certeza que muitos dos seus alunos nunca ouviram falar de Noé. Eu pergunto se algum aluno ou aluna já ouviu falar de dilúvio antes e discutimos as informações que eles compartilharem. Após a discussão, assistimos a esse desenho que resume a história.

  • Por último, fazemos a leitura conjunta das páginas 9 a 13 e discutimos o contexto inicial que nos é apresentado: quais informações temos sobre o dilúvio? Quem é o narrador-personagem? Ele já pisou em terra firme? Como é a relação dos sobreviventes com os animais? O fim das fronteiras territoriais trouxe união aos seres humanos?



SEGUNDA AULA

Referente à leitura até a p. 55 do livro.

Duração: 1 ou 2 aulas (depende do engajamento dos alunos e alunas na discussão)


O foco desta aula é discutir o gênero distopia e também a linguagem metáforica do livro.


1. Eu sempre começo a aula perguntando aos alunos o que eles estão achando da leitura. Acredito que a formação de leitores é um dos principais objetivos do trabalho com livros literários no Ensino Fundamental, por isso gosto de incentivar nos alunos esse gosto por compartilhar a leitura e fazer comentários avaliativos e afetivos sobre o livro.


2. Após essa discussão inicial, eu apresento aos alunos algumas características que definem o gênero distopia. Utilizo as imagens abaixo.


3. Depois dessa etapa, os alunos são divididos em duplas ou trios para responder a uma lista de exercícios - o objetivo das perguntas é suscitar o debate entre eles. Há uma pergunta que pede que eles apresentem dois elementos da história que comprovem que ela é uma distopia e também há perguntas sobre linguagem - eu escolhi alguns trechos dos livros e peço para eles explicarem o significado de expressões ou orações, por exemplo, a expressão abaixo:

O arpão saltou na direção do meu peito. Quando parecia que me iria atravessar, foi travado pelo cordel de náilon que prendia e saltou para trás. Perdi o fôlego.
- Caramba! Pode-se dizer que vi a morte presa por um fio. (p. 42)

Para explicar o sentido dessa frase dita pelo narrador, os alunos precisam tanto mobilizar seu conhecimento prévio (precisam se lembrar da expressão "a vida por um fio") quanto retomar e relacionar elementos da história (o fio, no caso, é aquele que prendia o arpão e impediu que ele atingisse o narrador).



TERCEIRA AULA

Referente à leitura até a p. 55 do livro.

Duração: 1 aula de 45 minutos.


O foco dessa aula é trabalhar com a ideia de conflito.


1. Como sempre, começo a aula perguntando aos alunos o que eles estão achando da leitura e se tem alguma dúvida ou comentário sobre o livro.


2. No trecho lido nesta semana, no capítulo 7º, há informações sobre o dirigível Dirigível LZ 129 Hidenburg que são verídicas - é um trecho não ficcional inserido na história. Então acho importante falar um pouco da história do LZ 129 e mostrar algumas imagens para mostrar aos alunos como ele realmente era uma invenção monstruosa (em todos os sentidos) para a época.


3. Depois eu discuto com os estudantes a ideia de conflito e explico que, em um romance, há sempre um conflito principal, em torno do qual gira a história; e conflitos secundários, que vão surgindo e sendo solucionados ao longo da história.

Os alunos e alunas são divididos em duplas ou trios para responder a uma lista de exercícios em que devem analisar os conflitos do livro. As perguntas exigem a identifição do conflito principal e de dois conflitos secundários (1 que já foi resolvido e 1 que ainda não foi resolvido).

Essa atividade é importante para que os alunos discutam a história e organizem os acontecimentos, pois este livro tem muitos conflitos e, geralmente, os alunos ficam um pouco confusos sobre o que está acontecendo neste momento da história.



QUARTA e ÚLTIMA AULA

Finalização da leitura do livro

Duração: 1 aula de 45 minutos.


Nesta aula, fazemos uma discussão final sobre a leitura e os estudantes fazemuma avaliação com perguntas sobre o enredo e sobre a linguagem do livro.

Uma atividade legal de ser feita neste momento é pedir que eles respondam às perguntas que o próprio narrador se faz ao longo da história - elas começam a aparecer a partir da página 73.


Compartilho também com vocês algumas leituras que me ajudaram a pensar no planejamento das aulas e atividades.

Céu e terra: confluência de sonhos [resenha de Michelle Mittelstedt Devides]


Siga nosso perfil no Instagram. Lá você encontra mais sugestões de leitura e atividades, além de lives sobre teoria e práticas pedagógicas - clique aqui.

Assista à vídeo-aula disponibilizada pela própria editora, com análise do livro e sugestões de outras atividades.

 

Na seção PARA LER NA ESCOLA, você vai sempre encontrar resenhas de livros literários (também conhecidos como paradidáticos) que são adequados para ler com os alunos do Ensino Fundamental 2. Também haverá sugestões de atividades, exercícios e temas que podem ser trabalhados com os alunos durante a leitura.

 

A VIDA NO CÉU: romance para jovens e outros sonhadores

José Eduardo Agualusa

Lançado em 2015, 128 p.

Editora Melhoramentos

Com o Dilúvio causado pelo aquecimento global e o desaparecimento dos países terrestres, os humanos sobreviventes construíram sociedades flutuantes. Entre as maiores cidades estão os dirigíveis São Paulo, Tóquio e Nova York. As cidades menores e mais pobres se organizaram em balões, formando aldeias.


Quem nos conduz na história é Carlos, um adolescente angolano de 16 anos que vive em Luanda, um conjunto de balsas que escolheu como negócio os livros, tornando-se uma aldeia biblioteca.


É duplo o problema que os habitantes das nuvens precisam enfrentar: como viver em harmonia e, ao mesmo tempo reencontrar a terra, de cujo cheiro e estabilidade só os mais velhos se lembram.

Indicado para: 8º e 9º anos (segundo indicação da editora)

Temas: aquecimento global, conflitos da adolescência, cultura digital, desigualdade social, liberdade, pluralidade cultural, xenofobia.

2 comentários

Posts Relacionados

Ver tudo

2 Comments


Karla Duarte
Karla Duarte
Apr 17, 2023

Também não estou conseguindo abrir o link para o desenho e link do primeiro artigo.

Esse livro é muito incrível e as produções de vocês também!

Like

Oi Aline! O link para o desenho sobre o dilúvio está aparecendo como indisponível pra mim. Fiquei curiosa, podes passar o nome da produção? Obrigada! ;)

Like
bottom of page